Casa Derlon

Centro - São Paulo - Brasil

“Morar pra mim é ter um espaço de aconchego e estar feliz comigo mesmo. Olhar um pedaço de mim ao meu redor” – Derlon.

Moro há quase 5 anos nesse apartamento de 60m². Escolhi morar no Louvre e ao mesmo tempo foi um achado. Sempre admirei este e outros prédios do mesmo arquiteto, e por coincidência foi viabilizado morar neste, conta Derlon. Nascido em Recife, o artista sempre teve fascínio, por tudo que é contemporâneo e popular e em sua paixão pela pintura assimilou a arte urbana com o poder comunicativo da estética da xilogravura brasileira. O grande gravurista Samico foi o seu maior mestre e com ele aprendeu como ocupar melhor os espaços em branco e a dialética do preto e branco – positivo e negativo na arte da gravura e da pintura.

Louvre: obra tombada construído na década de 50 – projetado pelo paulistano João Artacho Jurado.

Samico (1928-2013): Gilvan José Meira Lins Samico – gravurista, desenhista, pintor e professor. É considerado por muitos críticos o maior expoente da xilogravura brasileira.

Entrada da casa.

Olha ele aí nos recebendo…

Obra do amigo arquiteto Antonio Ferreira Junior. Uma lindeza de arrumação!!!

Xirumba- Maracatu Rural.

Sobre a mesa de jantar a escultura Serpente de Francisco Brennand.

Simplicidade é mais, mais… e mais… As esculturas no piso são de Geraldo Cabueta.

Ronaldo  Fraga e uma obra Derlon.

Obra do artista no canto da TV.

Sofá da Tok&Stok – Foto de Cristian Cravo (Leopardo) e jogo de peões do artista.

Casal Derlon – Ana Luisa.

Quadro de Xirumba – Praia.

Banco de Espedito Seleiro.

Peixe – obra de Samuel Kim –  Menina Azul – Ramon Martins.

Louvre.

Por que a casa de Derlon é Casa dos Outros? Porque é urbana, é regional, tem raízes e respira arte.

 

English

“To live for me is to have a space of warmth and to be happy with myself. Look at a piece of me around me “- Derlon.

I live for almost 5 years in this 60m² apartment. I chose to live in the Louvre and at the same time it was a find. I have always admired this and other buildings of the same architect, and by coincidence it was possible to live in this, says Derlon. Born in Recife, the artist has always been fascinated by everything that is contemporary and popular, and in his passion for painting he assimilated urban art with the communicative power of the aesthetics of brazilian woodcut. The great engraver Samico was his greatest master and with him he learned how to better occupy spaces in white and the dialectic of black and white – positive and negative in the art of engraving and painting.

Louvre: dropped work built in the 50s – designed by the São Paulo architect João Artacho Jurado.

Samico (1928-2013): Gilvan José Meira Lins Samico – engraver, draftsman, painter and teacher. He is considered by many critics the greatest exponent of the brazilian woodcut.

– House entrance.

– Look at him there, receiving us …

– Work of architect friend Antonio Ferreira Junior. A gentleness of housekeeping !!!

– Xirumba- Maracatu Rural.

– On the dining table the sculpture Serpent from Francisco Brennand.

– Simplicity is more, more … and more … The sculptures on the floor are by Geraldo Cabueta.

– Ronaldo Fraga and Derlon work.

– Work of the artist in the corner of the TV.

– Sofa by Tok&Stok – Photo by Cristian Cravo (Leopard) and pawn game of the artist.

– Couple Derlon – Ana Luisa.

– Picture of Xirumba – Beach.

– Bank from Espedito Seleiro.

– Fish – Samuel Kim – Blue Girl – Ramon Martins.

– Louvre.

Why is Derlon house Casa dos Outros? Because it is urban, it is regional, it has roots and breathes art.

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Notify of
avatar
wpDiscuz